Pérolas de Advogados

Os advogados não são engraçados exceto por acidente. Os trechos a seguir foram retirados de casos reais em processos nos tribunais americanos:

– O nariz é o mesmo que o senhor quebrou quando criança?

– Agora, doutor, não é verdade que quando uma pessoa morre dormindo, na maioria dos casos isso ocorre em silêncio e ela não se lembra de mais nada até a manhã seguinte?

P: O que aconteceu então?
R: Ele me disse que teria de me matar porque eu poderia identificá-lo.
P: Ele o matou?

– Foi o senhor ou seu irmão que foi morto durante a guerra?

– Seu filho mais novo, o de vinte anos, quantos anos ele tem?

– O senhor tem filhos ou algo do gênero?

P: Vou lhe mostrar a prova número 3 e vou lhe perguntar se reconhece quem está na foto.
R: Sou eu.
P: Estava presente quando a foto foi tirada?

P: Agora, senhora Johnson, como terminou seu primeiro casamento?
R: Por morte.
P: E pela morte de quem?

P: Sabe há quanto tempo está grávida?
R: Serão três meses em 8 de novembro.
P: Aparentemente, então, a data da concepção foi em 8 de agosto?
R: Sim.
P: O que estava fazendo nesse momento?

P: Senhora Jones, considera-se emocionalmente estável?
R: Costumo ser.
P: Quantas vezes a senhora cometeu suicídio?

P: Ela tinha três crianças, correto?
R: Sim.
P: Quantas eram meninos?
R: Nenhuma.
P: Eram meninas?

O senhor não sabe o que era, e não sabe com o que parecia, mas poderia descrevê-lo?

P: Você disse que as escadas desciam para o porão?
R: Sim.
P: E estas escadas também subiam?

P: O senhor viveu nesta cidade toda a sua vida?
R: Ainda não.

Um advogado, percebendo que estava para formular uma pergunta estúpida, voltou-se para o juiz e disse: Meritíssimo, gostaria de pular a próxima pergunta.

P: O senhor se lembra a que horas examinou o corpo do senhor Edington no necrotério?
R: Foi à tarde. A autópsia começou por volta das 8:30.
P: E o senhor Edington estava morto naquela hora, correto?
R: Não, seu estúpido, ele estava sentado na mesa perguntando por que eu estava fazendo uma autópsia!

Hitler tinha mau hálito e medo de dentista, diz estudo

Adolf Hitler tinha medo de dentista, halitose (mau hálito) e se alimentava muito mal, revela um estudo baseado nas anotações do homem que cuidava dos dentes do ditador alemão, o general da SS nazista Johannes Blaschke.
As conclusões estão em “O Dentista do Diabo”, trabalho de doutorado de Menevse Deprem-Hennen. Em declarações ao periódico alemão “Bild am Sonntag”, o especialista explica que o estudo teve base em uma série de relatórios que durante anos estavam perdidos.
“É muito provável que Hitler sofresse de uma forte halitose”, conta Deprem-Hennen, que diz ainda que o ditador nazista comia mal e sofria de doença periodontal, que atinge a gengiva e a sustentação dos dentes.
“É provável também que, como muitas pessoas, Hitler tivesse medo do dentista”, afirma o especialista, que tira essa conclusão pelo fato de, em vez de fazer um tratamento de canal em uma ou duas sessões, o “Fuehrer” ter precisado chamar Johannes Blaschke até oito vezes.